Almasurf revela planos para investidores em meeting comercial

Na última quinta-feira houve um meeting na sede da Revista Almasurf com o objetivo de apresentar a nossa plataforma para captadores de investimentos com base nas leis de incentivo.

por Redação Almasurf, 29/09/2017
follow

Simplesmente um sucesso!

Assim podemos resumir o encontro que reuniu mais de vinte captadores de recursos na sede da Revista Almasurf na última quinta-feira.

Na ocasião, o publisher Romeu Andreatta recebeu os captadores e apresentou em detalhes o planejamento da Almasurf para o biênio 17 / 18 nas áreas editoriais e de eventos, com as ações envolvendo o Festivalma, Festival de Arte e Cultura do Surf, Plataforma Para Todos (Skate, Windsurf, SUP e Kitesurf), Vídeo Selfie, Desafio Waterman e ABIEP (Associação Brasileira da Indústria e dos Esportes com Prancha).

Ao final, houve um almoço no restaurante Aoyama para celebrar a parceria com as empresas de captação.

Para Thiago Mori, gerente de marketing da SportPromotion, empresa de marketing esportivo com mais de 30 anos de experiência no mercado do esporte profissional, existe uma boa perspectiva de evolução e de execução dos nossos projetos em nível nacional.

“A história de nossa empresa basicamente foi construída sobre a plataforma do futebol profissional, mas a história da SportPromotion passa por outras modalidades como boxe, vôlei, bilhar e a natação, entre outras modalidades. Como feedback pessoal, gostei muito do meeting e da apresentação dos projetos da Almasurf. Eles estão bem completos na perspectiva de abrangência e alcance de novos públicos”, disse Mori.

Segundo ele, atingir 100 milhões de brasileiros é uma meta bem “ousada” ao longo do biênio.

“Acho que a ousadia faz parte na busca deste alcance da meta, sobretudo pelo grande leque de projetos apresentados. Do ponto de vista da SportPromotion, nos interessa conhecer e nos aproximar mais da Almasurf para tentar desenvolver projetos em conjunto, seja por meio dos projetos apresentados no meeting ou a construção de uma nova etapa, para que a gente possa contemplar os projetos da Almasurf que já existem fundamentados em esportes com prancha com os que nós já tivemos experiência. E por que não desenvolver algo junto, como o Beach Soccer, um produto da SportPromotion, totalmente relacionado e o público tem uma grande sinergia com os projetos da Almasurf, podemos pensar numa evolução e até mesmo na construção de um novo projeto em conjunto”, explica.

Para Lígia Barros, sócia diretora da Prisma Cultural, empresa que trabalha com a captação de patrocínios para projetos por meio de lei de incentivo, o projeto da Almasurf é muito “sólido” pelo fato de apresentar ações que possuem muita história.

“A Almasurf é uma empresa que tem muito know-how nesse ramo de esportes, atividades ao ar livre, junto com arte e cultura. Particularmente, já frequentei os festivais da Almasurf e acho que esta é uma forma muito eficaz para as marcas comunicarem com o público jovem, independentemente até da prática dos esportes de prancha em si, porque a gente vê até mesmo na publicidade de qualquer marca que quer falar com o público jovem aproveita da imagem do surf ou coloca o mar nas ações”, diz.

Para ela, é importante a aproximação com os captadores, sobretudo pela troca de informações num momento de crise política.

“Além disso, os projetos tem um objetivo, que é produzir benefícios para a comunidade, que é tão carente de arte, cultura e esportes com qualidade, além de gratuitos”, resume.

Rita de Cássia Lima Reis, da La Mella Marketing Esportivo Social e Cultural, afirma conhecer os projetos da Almasurf por estar neste segmento há três anos.

“Gosto muito de esportes e isso facilita na hora de levar os projetos aos meus clientes. A Almasurf é uma plataforma bem legal, pois vocês agora diversificaram os projetos para vários estados”, relata.

E por ter clientes fora do eixo Rio / São Paulo, a empresária acredita ser oportuno levar os projetos da Almasurf para outros mercados, como Salvador, por exemplo, onde acontece o Festival de Cultura do Surf no próximo verão.

Thaís Bellani, sócia da empresa Tudo Cultural, gostou muito de conhecer os projetos e, segundo ela, é muito importante o contato direto.

“Este momento de imersão dentro de um evento coletivo nos ajuda a enxergar a ‘alma’ do projeto”, define.

Eduardo Câmara, que por muitos anos comandou o departamento da revista Hardcore, acredita que a Almasurf está dando um passo importante em busca de um crescimento de 300 % em suas ações.

“Assim, a empresa deve elevar o conceito dos esportes com prancha para um público não-praticante e contaminar estas pessoas que contemplam e admiram o segmento, mas que nem sempre tem oportunidades de participar. Assim, a possibilidade de conversão é muito grande, levando essas pessoas ao esporte por conta desta experiência”, acredita.

"O objetivo do meeting Almasurf 2017 / 2018 é reunir os principais players do mercado de captação de patrocínio para a apresentação de nossa plataforma bianual e fomentar a troca de experiências entre os participantes", disse Marco Ferragina, CEO do grupo Almasurf.

"Considero que o resultado alcançado foi muito satisfatório. Contamos com a presença de importantes empresas do segmento e tivemos a oportunidade de apresentar projetos e sugestões de parcerias, além de ouvir sobre as demandas do mercado. Acredito que para os participantes tambem tenha sido uma vivência agradável, além de poderem trocar conhecimento e ideias com os demais players do segmento", explica Ferragina, um especialista em eventos incentivados com base nas lei estadual e federal.

Para Romeu Andreatta, diretor editorial da Revista Almasurf, curador do Festivalma e idealizador da plataforma Para Todos, foi uma excelente oportunidade para reunir os representantes de empresas captadoras de investimentos. Feliz por receber os interessados em ter uma parceria com os nossos produtos, ele espera um biênio de bons negócios depois de apresentar a Plataforma Alma Surf para o mercado de todo Brasil em evento “mágico” na casa.

 

 

almasurfalmasurfalmasurfalmasurf